• Ana Lúcia Pedrozo Martins

TRABALHO VOLUNTÁRIO COM A TERAPIA FLORAL NA REGIÃO DE MARIANA, MG, COM AS VÍTIMAS DA BARRAGEM - 3

Atualizado: 20 de jan.

Nem tudo são flores mesmo quando estamos trabalhando com os florais. Apesar de

estarmos fazendo esse trabalho desde dezembro com o objetivo de prevenção, ainda é

difícil o acesso a grande parte das pessoas que estão precisando, que o sofrimento

emocional é mais intenso ou o estado mental mais grave. Isso pode acontecer porque o

poder público e a Samarco não querem que as pessoas de fora da cidade tenham acesso

a essas informações, ou porque as pessoas nesse estado emocional têm vergonha de

mostrar o que sentem e\ou porque não procuram ajuda.

O fato é que, essas informações não nos chegam, é um trabalho de detetive também. Infelizmente, essa semana foi divulgada com atraso de dois meses, o que já sabíamos: sete tentativas de suicídio em Barra Longa, município de Mariana. Após um evento traumático é esperado que surjam casos de depressão, transtornos de ansiedade, transtorno do estresse pós-traumático e suicídio também.

Por isso, o trabalho de prevenção é muito importante. Infelizmente, o que temos percebido é que essas pessoas estão desassistidas nesse sentido: poucos profissionais, tratamentos alternativos nenhum e muita medicação. Nosso trabalho com os florais só encontra barreiras pelas vias burocráticas por questões políticas. Poderia ser melhor o acesso, ainda é pouco, mas não nos impede.

Como coloquei em outro momento, estamos acessando as pessoas diretamente através de visitas e uma pessoa vai indicando a outra porque percebe melhora. Isso tem sido muito especial e gratificante.

Por outro lado, estamos tendo mais resultados positivos, as pessoas estão mais interessadas em conhecer os florais! Na nossa última ida até lá em abril, as pessoas já estavam mais mobilizadas, perguntando sobre os florais e querendo usar porque conheciam outras que estavam tomando e estavam melhorando. Um querido morador de Barra Longa, que sempre nos ajuda, fez um folder sobre o grupo que reunimos no salão comunitário para divulgar pela cidade.

Ficamos muito felizes com isso! As pessoas da comunidade percebendo a necessidade de cuidar de si e dos outros. Essa abertura leva a um dos nossos objetivos que é, seguindo a orientação da Sandra Epstein, criar um núcleo de pessoas da própria comunidade para fazer esse trabalho, com nossa orientação.

Nas palavras da própria Sandra: “uma coisa eu sei por experiência, o trabalho que não nasce de uma comunidade que a sustente, não cria mudança verdadeira. A filantropia é ok, ajuda, mas só transforma quando a comunidade assume. Senão morre. Não pode depender de você, se depender do teu sacrifício, morre.

O modelo da transformação precisa despertar na comunidade a força de vencer. Claro que você é um agente catalisador, mas a médio e longo prazo precisa formar gente da comunidade para poder seguir orientando, mesmo de longe. Temos que entregar a este núcleo esta tarefa”.

Fiquei muito emocionada com essas palavras e com essa visão. Desde então, já conseguimos uma missionária em Gesteira, duas moradoras em Barra Longa, uma delas irá fazer o curso de formação dos Florais de Bach com a Daniella Oliveira!!! E um anjo em Mariana, para levar os florais às pessoas de Bento Rodrigues e Paracatu que estão morando lá agora. Mais formiguinhas que estão encantadas e felizes por poderem fazer parte dessa união!

Ainda não é um número suficiente de pessoas para abranger toda a necessidade, mas vai crescer. Ainda teremos muito trabalho pela frente, os moradores de Barra Longa ainda vivem a triste situação de ver, diariamente, o rio destruído, pois a cidade fica às margens, tem muita lama e poeira desta causando doenças, e não saem de casa por causa disso, perdendo os locais e oportunidades de lazer.


Os produtores locais perderam sua força de trabalho por causa da terra e do rio contaminados. Os moradores de Bento e Paracatu vivem a triste situação de terem perdido a sua terra e sua

comunidade e, portanto, vínculos importantes. Estão separados por casas em locais

distantes em Mariana. Mas estamos na luta. E com a constatação de que, cada vez mais,

as flores estão abrindo os caminhos por lá.


Abraços,

Ana Lúcia Pedrozo Martins


 

Sobre Ana Lúcia Pedrozo Martins


Terapeuta Cognitivo-Comportamental e Terapeuta Floral

Psicóloga formada pela UERJ

Mestre em psicologia pela UFRJ, com o tema Tratamento da Terapia Cognitivo-Comportamental para o Transtorno do Estresse Pós-traumático.

Formação Florais de Bach Healingherbs

Especialização em Terapia Floral HESFA\UFRJ




 

Leia também os outros posts de Ana Lúcia Pedrozo Martins

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo